terça-feira, 10 de janeiro de 2012

  
E se eu mudasse meu destino num passe de mágica? (...) Estranho, mas é sempre como se houvesse por trás do livre-arbítrio um roteiro fixo, pré-determinado, que não pode ser violado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário