terça-feira, 5 de março de 2013


Paro por segundos e analiso toda a minha vida, comparo com o mundo ao meu redor, como se eu fosse colocar toda essa bagunça em ordem, como se tudo o que ficou para trás tivesse alguma culpa, como se toda essa gente que passou por aqui se importasse com a minha vida. E o pior é que eu sempre acho que tenho razão nas coisas que penso e nas coisas que falo. Porque na minha opinião, quando algo faz sentido há uma explicação por trás de uma razão apresentada. Eu sempre tentava encontrar uma solução no meio disso tudo, mas eu achava que não tinha como encontrar todas as respostas sozinha, mas me enganei.
Cheguei a achar que todas essas coisas eram injustas, vazias e cheias de versões e inversões. Uma tal raiva aparente que me pegava totalmente desprevenida e sóbria, que me deixava tonta e perdida. Às vezes eu chegava a ser um tanto grossa, um tanto irônica, um tanto rude e fria, mas por dentro era totalmente delicada e despreparada. Tão cheia daquelas coisas que as pessoas não dão valor e ficam escondidas por trás de uma armadura que dificilmente se tira.
Na minha mente eu não conseguia entender o que verdadeiramente eu buscava, o que realmente as pessoas queriam de mim. Acabei por descobrir que a falta de algumas delas eram a liberdade que tanto sonhava. De outras eu ainda me pergunto o por quê de tanta insensibilidade. Arrumava mil desculpas para o comportamento imbecil das pessoas que eu amava. Foi então que resolvi encarar a realidade e me livrar de tudo que não me fazia bem. Arrancaram o melhor de mim e me devolveram em doses exageradas várias aprendizados. Sentia-me abandona, mas isso me fez descobrir que tudo na vida não vale a pena se não desfrutarmos da nossa própria companhia. Conheço pessoas que tem a todos mas não tem a si mesmo. Sem querer aprendi as vantagens de ser só. A partir desse instante passei a ter todos e tudo o que eu precisava ter sem precisar saber quem realmente me fazia bem ou não. Flutuo por aí e ainda mantenho os pés totalmente no chão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário