sexta-feira, 28 de junho de 2013

Prepara!!
hauhauhauhauhauhauhau


Engula o choro, presidente. Engula o choro ao falar da tragédia de Santa Maria. Engula o choro e todos os problemas desse país que nele estão escancarados. Engula que o medo do segurança de ser demitido neste país é maior do que sua consciência de deixar as pessoas saírem sem pagarem suas contas para não morrerem. Engula a soberba dos donos de empresa desta nação que não estão nada preocupados com pessoas como eu e até mesmo como a senhora porque estão focados demais em lucrar, e preferem fechar as portas como numa câmara de gás a ter prejuízos. Engula a pressão que todos os seus funcionários sentem todos os dias. Engula que para arcar com seus altíssimos impostos, todos eles dão um jeitinho bem brasileiro de se desviar dos regulamentos e leis. Engula que os órgãos responsáveis por evitar que isso aconteça não funcionam. Engula que eles deixaram essa, entre tantas e tantas casas mais, funcionar sem licença. Engula que provavelmente alguém que também ganha pouquíssimo aceitou um suborno para que isso acontecesse. Engula que a senhora deu "é" sorte por ser apenas essa casa entre todos os tantos lugares que deveriam estar fechados, que caiu na boca da mídia. Engula a mídia que vai atacar com todo o sensacionalismo possível em cima das famílias que estão procurando celulares em cima de corpos para reconhecer seus filhos. Engula as operadoras que não funcionam e que provavelmente impediram uma série de vítimas a pedirem socorro. Engula que o socorro que chega para se enfiar em lugares como este, pegando fogo, cheio de corpos de jovens para serem resgatados, recebe um salário vergonhoso, com descontos ainda mais vergonhosos, e ainda assim executam um trabalho triste e digno antes de voltarem para a casa e agradecerem por seus próprios estarem dormindo.

Não, presidente. Não chore ao falar da tragédia. Faça! Faça alguma coisa. E pare de nos dar como exemplos uma série de catástrofes para tomar medidas idiotas que não valerão de nada alguns meses depois. Não se emocione. Acione! Acione a todos os órgãos públicos, faça uma limpa em sua maldita corrupção e devolva à segurança pública, às instituições sérias, aos professores, aos bombeiros, aos enfermeiros, aos seguranças, aos jovens, o mínimo de dignidade. Não faça um discurso. Mude o percurso. Mude tudo porque estamos cansados de ver nossos iguais pegando fogo, morrendo afogados, morrendo nas filas, morrendo no crack, morrendo, morrendo, morrendo, e tendo como última imagem aquela tv aos fundos anunciando o fim de mais uma bilionária obra de estádio de futebol.

Não, presidente. Desculpe, mas na minha frente, a senhora não pode chorar. Não pode chorar sua culpa. Não pode chorar sua inércia. Não pode chorar no Chile mas também não pode chorar em Santa Maria. Porque isso é muito maior do que só um acidente. Isso é muito maior do que só sua comoção. Engula o seu choro, presidente. O seu, o dos jovens que perceberam que não teriam mais o que fazer que não morrer, e em especial, o de seus amigos e familiares, que em um país como esse, não têm outra opção que não chorar. Engula o choro, presidente.

Nos dias mais sombrios, o Senhor coloca as melhores pessoas na sua vida.

“Pensamentos felizes fazem a gente voar.”
— Peter Pan.



Enquanto as coisas vão acontecendo, eu vou observando cada detalhe em silêncio. E uma coisa eu posso afirmar: As pessoas falam o que querem e não o que realmente é.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

domingo, 23 de junho de 2013


Balões e pessoas: não tem a mínima graça vazios.

Eu gosto de andar pelas ruas sozinha, de tomar café sozinha, de escutar música sozinha, de ficar sozinha enquanto escrevo. Gosto dessa paz que eu sinto neste silêncio que faço. Me faz pensar com mais clareza e definição. Me faz ver coisas que dificilmente conseguiria enxergar no meio da multidão. Na verdade eu gosto de ficar sozinha comigo, mas quando vejo um casal de namorado, uma mãe com seu filho, percebo que eu gosto da tranquilidade de estar sozinha e não de ser sozinha. E agradeço todos os dias por ter tantas pessoas na minha vida que não me deixam ser sozinha, nem se eu quisesse.

quarta-feira, 19 de junho de 2013


Eu finalmente decidi parar de amar você. E quer saber? Funcionou. Supliquei por uma dose de amnésia e acabei me embriagando. Dessa vez, você perdeu.

Enquanto tem milhares de pessoas gritando pelos seus direitos nas ruas, tem outros que ficam em casa criticando quem faz acontecer. Você pode até pensar que essas pessoas que estão nas ruas são as mesmas que colocaram esses corruptos no poder. E daí? Você que está aí sentado assistindo sua novelinha também colocou. Só que eles se cansaram de ouvir falsas promessas, enxergar coisas erradas acontecendo e foram reivindicar enquanto você fica aí se fantasiando com a mídia que "certa" emissora de televisão faz. Outros reclamam que estão destruindo ônibus e patrimônios que nós mesmos teremos que pagar, mas vocês se esqueceram que isso é muito pequeno perto do dinheiro que estão investido na copa, nas viagens internacionais de deputados, no dinheiro desviado, na mordomia que eles tem e tudo isso pago com o dinheiro público. Fora os milhões pagos a jogadores de futebol, artistas, modelos com um dinheiro que nem sabemos de onde vem.
Tem pessoas que se aproveitam da manifestação sim, mas são a minoria. A maioria são os que estão com cartazes nas mãos, com a bandeira nas costas, com a cara pintada. Enquanto tem muitos filhinhos de papai rindo da nossa cara. Claro, pois somos da classe média. Somos nós que andamos de transporte público, que ficamos esperando na fila do SUS, que somos explorados pagando altos impostos em tudo que a gente compra. Claro que esses 20 centavos não vão fazer a mínima diferença para esses ricos e milionários que ao invés de falarem de justiça, falam de negócios. Assim como os políticos que estão com uma boa quantia de dinheiro público em suas contas e não precisam se preocupar com o aumento de nada, só com o aumento do seus próprios salários que a cada dia aumenta mais.
Enquanto isso os "Revoltosos de classe média" sentem na pele e no bolso essa injustiça toda. Enquanto o R$678,00 continua o mínimo dos mínimos. Enquanto os professores só se sentem cada vez mais desvalorizados. Enquanto os estudantes pagam para ir e vir com uma educação de péssima qualidade. Enquanto na fila do SUS, a cada minuto alguém morre por não ter sido atendido a tempo. Enquanto alguma criança morre de fome embaixo de uma ponte. Enquanto tudo isso acontece você fica com essa sua bunda pregada no seu sofá super confortável rindo, ou nem ligando, ou programando sua próxima viagem internacional, ou comprando seu ingresso para a copa, ou comendo seu caviar, ou criticando quem está nas ruas "fazendo a diferença" ou praticando o vandalismo. Vandalismo meus caros é se calar vendo o país sendo roubado. Então nos dá nos dá licença, somos a maioria e queremos mudar o nosso país.

domingo, 16 de junho de 2013


Manifestação ou uma luta a favor dos nossos direitos? Estudantes ou vândalos? Repórteres ou pessoas que querem sujar a nossa imagem? Policiais servem para nos proteger ou para espalhar ainda mais a violência? Spray de pimenta, bala de borracha, bomba de efeito moral, mas onde está a moral? Estão quebrando a cidade, parando o trânsito, prejudicando o comércio, mas já pensaram que poderia ser algo mais civilizado se os policiais não reagissem dessa forma? "São ordens lá de cima." Diz um policial. Pois é, infelizmente estamos por baixo. E o que resta é fazer tudo isso que estão fazendo. São alguns "centavinhos" a mais, mas que fazem uma diferença enorme no bolso de estudantes e trabalhadores que acordam cedo e pegam de dois, três a quatro ônibus por dia. Pessoas que demoram de uma, duas a três horas para chegarem em suas escolas ou nos seus locais de trabalho. Pessoas que chegam tarde em casa, com poucas horas de descanso para levantarem no outro dia pagando cada vez mais caro por isso. Centavo por centavo se constrói um novo estádio para a Copa, não é mesmo? Se arruma um asfalto num bairro nobre da cidade. Aumenta os salários dos governadores e prefeitos. Mas poderiam estar usando para construir escolas em bairros pobres, ou usar para um bom reajuste no salário dos professores, que ao contrário disso só está sendo desvalorizado. E você ainda acha um absurdo o que está sendo mostrado na TV de uma forma totalmente contorcida? Pois pra mim podem mostrar da maneira que quiserem, eu sempre vou estar a favor de uma sociedade mais justa e democrática.

sexta-feira, 14 de junho de 2013


Tem uns sorrisos que dá vontade de guardar pra usar depois.

Sou mais macho que muito homem. E se isso for feio, não ligo para a posição que os outros criam. Falo palavrão de vez em quando e bebo mais que muitos dos meu amigos. Faço e depois eu penso. Tenho mais senso do que muito filhinho de papai. Enquanto muitos querem mostrar os músculos, eu quero mostrar quem sou. Enquanto muitos querem beijar na balada, eu só quero dançar. Como sem medo de engordar. Bebo sem medo de cair. Falo sem medo do que vão pensar. Fico sem me apegar. Me apego e se não der bola deixo passar. Não tenho frescura, não penso em voltar. O que passou passou, me interesso pelo que pode ficar. Sou mais macho que muito homem. Não pela força, nem nada disso, porque eu falo o que sinto e sei exatamente o que fazer com isso.

O que a "Rede de Esgoto de Televisão" não mostra!

“Não adianta desperdiçar sofrimento Por quem não merece. É como escrever poemas no papel higiênico e limpar o cu com os sentimentos mais nobres.”

— Cazuza.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

quarta-feira, 12 de junho de 2013


“O mal do século XXI
É o mal de alzheimer que aflora nessa gente:
Esquece que falou.
Esquece que sentiu.
Esqueceu que amou.
Esquece que existiu.”

— Desconhecido0

Tem horas que você tem que falar a verdade se não a vida fala por você.

segunda-feira, 10 de junho de 2013


“Eu, do fundo do meu coração, tenho um orgulho absurdo de ser quem eu sou. Não vou dizer que é fácil, e que nunca deu vontade de desistir, mas vale muito mais a pena continuar.”
— Tati Bernardi.

Esse é o problema de gostar muito de alguém. A gente inventa qualidades que a pessoa não tem.

domingo, 9 de junho de 2013


Fecho a boca, curvo as sobrancelhas, faço cara de quem não gostou...
mas minhas maçãs não me deixam mentir!

Eu tô pensando. Eu tô analisando. Eu tô observando. Eu tô sentindo. Eu tô sorrindo. Eu tô deixando passar. Eu tô deixando de me importar. Eu tô fazendo o que eu sempre quis. Eu tô aprendo a ser mais feliz.

No fim, devemos sempre fazer aquilo que acreditamos ser certo, mesmo que seja difícil.

Estou morrendo de vontade de ser eu, mas ser eu só tem me feito perder e perder. E eu quero ganhar. Só dessa vez. Chega. Mas eu quero me dar de bandeja pra você. Mas não. Depois eu demoro semanas pra me levantar porque fui intensa e vivi um dia. Não agüento mais nada disso. Por isso, dessa vez, eu não vou gostar de você. Tchau. Chega de fazer tudo errado. A minha vontade é te ligar, pra contar o quanto gosto de você. E te pedir em namoro. E me declarar. Falar palavras lindas, frases perfeitas, poéticas, sensíveis. Mas não! Eu sou uma mocinha. E mocinhas só se declaram depois de um mês de namoro. Ou depois que o garoto fala que gosta delas. Dessa vez vai ser assim. Chega. E se você não desistir mesmo com todo esse teatro que eu estou fazendo. Vai ser a prova de que eu precisava pra saber que você realmente vale a pena.

Se sorrir é o melhor remédio, então vou abrir uma farmácia deles.

sábado, 8 de junho de 2013



“Você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.”
— Martha Medeiros

“Eu não sei se eu vou ter tempo para escrever mais, porque eu posso está muito ocupado tentando participar. Então, se isso acabar sendo a última vez, eu só quero que você saiba que eu estava em um lugar ruim antes de começar o colegial. E você me ajudou. Mesmo que não soubesse do que eu estava falando, ou conhece alguém que passou por isso. Você me fez não me sentir sozinho. Porque eu sei que há pessoas que pensam que essas coisas não acontecem. E há pessoas que esquecem de como é ter 16 anos quando completam 17. Eu sei que serão apenas histórias algum dia. E nossas imagens vão tornar-se fotografias antigas. E todos nós seremos mãe ou pai de alguém. Mas agora, esses momentos não são histórias. Isso está acontecendo. Eu estou aqui. E eu estou olhando para ela. E ela é tão bonita. Eu vejo isso. Um momento em que você sabe que não é uma história triste, você está vivo. E você se levanta e vê as luzes nos prédios, e tudo isso te deixa surpreso. E você está ouvindo essa música nessa estrada, com as pessoas que mais ama neste mundo. E neste momento, eu juro; nós somos infinitos.”
— As vantagens de ser invisível. (Filme)

quinta-feira, 6 de junho de 2013


Quem me dera, ao menos uma vez,
Explicar o que ninguém consegue entender.


Legião Urbana

Eu que gritei para tantas pessoas ficarem, hoje só quero mesmo é que elas sumam de uma vez por todas.


“Acho tão bonito casais que duram. Não importa o tempo, o que vale é a intensidade. Querer estar junto vale muito mais do que estar junto há 20 e tantos anos só por comodidade. Sei que estou falando obviedades, mas hoje vi um casal de velhinhos na rua. Acho que o amor, quando é amor, tem lá suas dores bonitas. A gente vê uma cena e o coração fica emocionado. Nos dias de hoje, com tanta tecnologia, com tanta correria, com tanta falta de tempo, com tanto olho no próprio umbigo e nos próprios problemas, com tanta disputa pelo poder, pelo dinheiro, por ter mais e mais, sei lá, acho bonito ver um casal de velhinhos na rua. A mão, enrugadinha, segura a outra mão. A outra mão, por sua vez, segura uma bengala. Falta equilíbrio, sobra experiência. Falta a juventudade, sobra história para contar. Falta uma pele lisa, sobram marcas de expressão que contam segredos. Envelhecer não é feio. Em tempos de botox, a gente devia olhar um pouco para dentro. De si. Do outro. Do amor.”
— Clarissa Corrêa

terça-feira, 4 de junho de 2013


Todo dia eu procuro me lembrar: dá pra escolher. Não temos controle sobre tudo, mas dá pra escolher entre ter amigos ou viver recluso, dá pra escolher entre privilegiar um amor ou ter vários casos superficiais, dá pra escolher entre levar a vida com bom-humor ou levar a vida na ponta da faca. Se a escolha será acertada, aí já é outro assunto, o futuro vai dizer.

Sou meia distraída. Ainda não aprendi a prestar atenção nas coisas que eu deveria prestar, só com as coisas que eu realmente me importo. E não é sempre que eu agradeço por ser assim. Dou um passo e já esqueço do que vou fazer. Falo uma palavra e já esqueço do que vou dizer. Marco um compromisso e tenho que anotar. Esqueço por pura falta de atenção e outras vezes por falta de interesse em assuntos vazios. Eu procuro mesmo são por assuntos que me passam conteúdo. Às vezes eu lembro do que eu tenho que esquecer, às vezes eu esqueço de tudo.

domingo, 2 de junho de 2013


Deus, obrigada por me mostrar onde está o perigo. Por me iluminar da escuridão que me cega. E principalmente por me mostrar quem são as pessoas certas.

Vamos nos unir mesmo que sejamos a minoria. O mundo precisa de mais sensibilidade, vamos mostrar que somos raridade.

Eu não quero saber o que os outros pensam nem o que vão falar ao meu respeito. Eu não quero saber se eles vão comentar em uma rodinha de amigos, ou em uma mesa de bar, ou em algum comentário insignificante com alguém da família. Chega um tempo na vida em que certas opiniões de algumas pessoas tornam-se irrelevantes. E o que realmente passa a importar é a nossa felicidade. Mesmo que a gente demore a aprender.

Porque o simples me chama a atenção. E quanto mais sensibilidade, mais bonito em meus olhos vai ser.