sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Héterofobia


terça-feira, 19 de agosto de 2014

Aiii que lindo esse coelho *_* rsrsrs #lovecats

Não me venha com sua falsidade..


Se me irrito, não adianta mais...

Eu usando salto..



Procuro me relacionar com pessoas maduras. Idade não quer dizer muita coisa, acho que na verdade não diz nada. Já conheci pessoas mais velhas com atitudes totalmente inferiores. Já conheci pessoas mais novas com pensamentos maiores do que os meus. Gosto de estar cercada por pessoas que tem conversas produtivas, com atitudes amenas, que saibam separar as coisas, que se preocupam com os sentimentos de quem anda do seu lado, de quem saibam se explicar, de quem não precisa de recadinhos para desabafar, ofender nem humilhar.
Mas não vou negar minhas crises de infantilidade que são totalmente impulsivas como eu. Se vejo que fiz algo de errado, assumo e se for o caso peço desculpas. Isso se chama humildade. Sim, porque eu sei quem eu sou e não preciso ficar me explicando para quem gosta de me rotular. 
Se eu escrevo é para desabafar. Assim como ninguém é obrigado a me escutar, ninguém também é obrigado a me ler. A gente só procura aquilo que nos interessa, só buscamos informações daquilo que temos curiosidade. E se o que eu faço te incomoda, então procure um especialista para te ajudar a perder o interesse e a curiosidade sobre mim. Porque eu gosto de me expressar em linhas, mas algumas pessoas gostam daquilo que não cabe a elas. 

quarta-feira, 13 de agosto de 2014


Pra quem acha que preciso mendigar sentimentos... Minha felicidade responde por si só!

terça-feira, 12 de agosto de 2014


Meu Pai. Carrego no peito todo amor que ainda tenho para lhe dar. Passaram-se momentos difíceis, mas todos os últimos momentos juntos valeu para recompensar. Chorei várias noites quando te procurei e não consegui te encontrar, Abracei forte meu travesseiro com medo de você não enxergar seus erros. Pedi várias vezes a Deus para dar uma brecha e te iluminar. Sozinha andei pelas ruas vazias da cidade a te procurar. E hoje descobri que o tempo não deixa barreiras, que nossa distância só serviu para nos aproximar. 

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Point no Litoral \o/

Encontrei esse post e não aguentei, ele terá de ser compartilhado. Eu e um amigo estávamos procurando um lugar pra sair no litoral, quando graças a uma indicação fomos parar no "Quiosque da Cris" e só tenho uma coisa pra falar.. Delicinhaaa é esse lugar!!!


Um quiosque em São Vicente virou ponto de parada ‘obrigatório’ do público LGBTS (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Simpatisantes) que mora e que visita o litoral de São Paulo durante o verão. O Quiosque da Cris ficou conhecido no  inteiro por ser um ponto de encontro do público e, com o passar do , passou a atrair turistas de países como a França, Itália e os Estados Unidos.
O quiosque fica na  do Itararé e é resultado de uma tentativa ousada da proprietária Cristiane Lopes Lorca. “Há 25 anos eu abri meu próprio negócio. Era só um carrinho de pastel. Não era a intenção inicial ser um point GLS, mas as pessoas se identificaram com o meu jeito. Eu sou gay e isso acabou atraindo este público. Hoje o quiosque é um sucesso”, afirma Cris.
Ela conta que já sofreu muito preconceito e, em determinado momento, chegou até a ser agredida. Apesar disso, ela afirma que hoje em dia o local é frequentado por famílias que buscam o bom atendimento e a liberdade de comportamento. “Aqui rola muita paquera, porém, eu estou sempre em cima, de olho. Não admito pegadas mais fortes entre os casais, porque acho que tem que haver um respeito com as outras pessoas. Se queremos ser respeitados, também temos que respeitar”, diz Cris.

E é o respeito e a liberdade que os clientes mais ressaltam quando questionados sobre o que os atrai ao local. “A liberdade de andar a vontade, sem preconceito, poder andar de mãos dadas com o seu , sem se preocupar sobre o que estão pensando. Isto é o melhor do Quiosque da Cris”, afirma o estudante André Salmazo.
Vários grupos de turistas vão ao local, como os amigos Túlio Ferns, Dennys William e Henrique Sprocatti, de Jundiaí (SP). Eles ressaltam o bom atendimento e afirmam que a paquera é ponto forte no local. “Daqui só sai solteiro quem quer. Rola muito paquera. Tem muita gente interessante”, conta Henrique.
O quiosque da Cris atrai pessoas jovens e casais mais velhos, como Thalys Garcia e Cláudia Costa, que namoram há dois anos. “Gostamos de vir aqui pela base GLS, pela segurança, por saber que são todos iguais”, diz Thalys.
Para chegar ao local é bastante fácil, já que o Quiosque da Cris é decorado com as cores da bandeira LGBT. Segundo a dona do quiosque, Cristina Lorca, o point atrai turistas de diversos países, como França, Itália e Estados Unidos. “No réveillon recebemos um grupo da California, que nos presenteou com uma bandeira do estado que tem as cores do arco-íris”, diz Cris.

10 coisas que toda sapa não quer ouvir!!!




Existem palavras que puta que pariu!! Isso mesmo... São palavrinhas la no dicionario, mais que jogadas na cabeça conturbada de uma lésbica ... Vamos priorizar aqui as librianas como eu e as leoninas, dizer qualquer uma delas é a mesma coisa que causar confusão ou dar um chute no nosso estomago. huahauhauha
Eu te amo, mas…
Se tivesse parado no eu te amo, seria ótimo. O problema é o “mas”, que vem sempre acompanhado por algo muito desagradável que vai machucar pra valer, como: “…mas não quero compromisso com você” ou “…mas eu também amo a fulana” ou “…mas eu não estou preparada para ter um relacionamento com uma mulher” ou até “…mas eu resolvi tentar todas as posições do kamasutra com minha instrutora de ginástica”. Quando ‘Eu te amo’ vem acompanhado de ‘mas’, o que vem a seguir é aquela bomba que, normalmente, não estamos preparadas para ver explodindo.

Tô menstruada.
Você chega em casa cheia de amor pra dar, subindo pelas paredes, matando cachorro a grito, já entra dando um cheiro no cangote dela e ela te dá um sorrisinho amarelo e revela que está menstruada. Um balde de água fria bem em cima do seu fogo. Essas são aquelas noites em que você dorme amuada. E ainda tem que manter a postura e ser muito compreensiva, afinal, não é culpa dela! Mas vamos combinar, não é nada agradável!

Lá na minha igreja nós temos tratamento para pessoas como você!
Sabe aquelas pessoas que têm certeza absoluta que você está com o diabo no corpo? Ou que você tem um tipo de doença e que na igreja está a sua cura? Com todo o respeito, não,obrigada.

Amor, tô grávida.
Essa eu não vou nem comentar!

Não é nada disso o que você está pensando!
Essa frase em geral vem depois de você pegar a pessoa em flagrante fazendo alguma coisa que não devia, e ela se defende com a primeira frase que vem à cabeça no desespero, acabando por questionar a inteligência do outro, porque é exatamente o que ele está pensando. Ela está com a boca cheia de chocolates, mas não é nada disso o que você está pensando, ela não está quebrando a dieta! Ela está nua e algemada na cama com uma bela morena de cinta liga batendo nela com um chicotinho, mas não é nada disso o que você está pensando, a morena estava só matando um mosquito que pousou na nádega esquerda dela! Aquele momento em que você olha pra ela com os olhos semicerrados e pergunta, “Pra cima de moi?”.

Você só é lésbica porque não deixou eu te pegar de jeito!
Já deu desse papinho de que lésbicas na verdade são heterossexuais mal comidas. E não são só os bofes do orgulho hétero que pensam assim não! Tem muita mulher que acha que não é possível uma relação prazerosa sem intervenção peniana. Vamos explicar devagar: as coisas que te agradam não agradam todo o universo. Não é só porque você não consegue viver sem determinada coisa que é assim para todo mundo. O fato de maçã ser muito agradável para o seu paladar não torna ela agradável para o paladar de todos os seres que vivem na terra. O sexo anal é muito bom para uns, mas é horrível para outros. Assim como a presença de um pênis é maravilhosa para uns, e péssima para outros. E se alguém não se sente confortável em ficar com um homem, mas sente muito prazer ao lado de uma mulher, não precisa experimentar para se certificar de que não gosta. Pode ser maravilhoso, mas pode também fazê-la se sentir invadida, violada e enjoada. Se ela não quer arriscar, deixe-a, oras!

Quem é essa vagabunda?
Essa frase é péssima porque, na maioria das vezes, vem acompanhada de uma DR das bravas. Se a tal da ‘vagabunda’ for sua mãe, sua tia do interior ou sua melhor amiga de infância, você vai ficar possessa por ela ter dito algo ofensivo sobre a pessoa. Se a ‘vagabunda’ for alguma moça que te adicionou ou uma nova aluna da sua faculdade, ou uma ex, ela vai engatar uma longa briga. O lado positivo é que, de modo geral, esse tipo de discussão não acarreta a muitos dias de rancor.

A minha ex…
Não importa muito o que ela dirá sobre a ex, não queremos saber. Não queremos saber sobre a performance da nossa antecessora na cara, não importa se era melhor ou pior. Não precisamos saber do motivo pelo qual vocês discutiam, nem das habilidades singulares, muito menos no que ela era pior e no que ela era melhor do que nós. Em suma, não queremos ser comparadas com elas. Poupem-nos desses detalhes sórdidos e deixa o passado no lugar dele: lá atrás! Saber quem ela é e que você não tem mais interesse nela, já é mais que suficiente.

Onde foi que eu errei?
Um clássico entre os pais assim que a filha sai do armário. Nós sabemos da probabilidade grande de ouvir isso, mas nunca estamos preparados. Magoa muito. Por que nossa forma de amar seria um erro materno/paterno? Ser diferente não é necessariamente possuir uma falha. E essa frase que vem acompanhada de choro, mágoas e drama tem o potencial de acabar com a nossa coragem diante da situação, independente do quanto tenhamos nos preparado para ela!

Precisamos conversar.
Não precisa ser lésbica para saber que ai vem bomba! Verdades doloridas, rompimentos, confissões. Tudo começou com um “Precisamos conversar”. Já estamos escaldadas e essas são as palavrinhas mágicas para um dia improdutivo, preocupação, mãos suadas, noites mal dormidas, coração acelerado e a cor que insiste em fugir da nossa boca e do nosso rosto. Um conselho válido, não diga “Precisamos conversar”, simplesmente converse. Não alimente agonias. É o tipo de coisa pela qual ninguém merece passar!

sexta-feira, 1 de agosto de 2014


“Eles não se entendiam, raramente concordavam em algo. Brigavam sempre. E se desafiavam todos os dias. Mas, apesar das diferenças, tinham algo importante em comum: eram loucos um pelo outro.”
— Diário de uma paixão


#rachelmcadams